Irecê Líder: Soteropolitano aposta em 'suingue' da Bahia para se destacar no Super Dança dos Famosos /* CONFIGURAÇÃO CORPO DE POSTAGENS */ /* FIM DA CONFIGURAÇÃO CORPO DE POSTAGENS */ -->
ao vivo

SLIDER

IRECÊ LÍDER AO VIVO

Esconder Vídeo
Abrir Vídeo
Clique aqui para enviar seu recado.
NO AR
PROGRAMAÇÃO LÍDER
LOCUTOR
(x) Fechar
Compartilhe a Líder
Facebook
Whatsapp
Telegram
Participe! Mande seu recado para o nosso Whatsapp!

sexta-feira, 14 de maio de 2021

Soteropolitano aposta em 'suingue' da Bahia para se destacar no Super Dança dos Famosos

Nascido e criado em Salvador, o dançarino e coreógrafo Adeilton Ribeiro está entre os profissionais escolhidos para estrelar, no palco do Domingão do Faustão, a edição especial da Dança dos Famosos ao lado de Viviane Araújo. A competição começa no próximo domingo (16). Apaixonado pela arte de dançar desde os 15 anos de idade, o soteropolitano já se apresentou em vários países de quatro continentes diferentes: Ásia, África, Europa e América.
O profissional conta que se apaixonou pela profissão ao presenciar vários adolescentes se apresentando no bairro de Macaúbas, em Salvador. A partir daí, o baiano se encontrou com a arte e nunca mais parou. Ainda na época, ele foi descoberto pelo professor Sivaldo Tavares, que o levou para a companhia de dança Balé Folclórico da Bahia. “[Lá] tive contato com técnicas de danças que jamais eu imaginaria que existia”, relembra Ribeiro que, através da companhia, teve a oportunidade de realizar turnês pelo mundo.
Anos depois, após um período de dois anos trabalhando e morando na França, Adeilton resolveu voltar para o Brasil. Ele explica que voltou às terras brasileiras para que sua “arte fosse reconhecida" em seu país.

Já no Brasil, o jovem se hospedou em São Paulo, onde está há nove anos. “Eu não queria voltar para Salvador porque [na cidade] existe um negacionismo com a arte, com a dança. Eu queria fazer coisas novas. Foi aí que me arrisquei a ficar”, explica o baiano. Apesar de estar há quase uma década na capital paulista, Adenilton garante que visita a capital baiana pelo menos seis vezes ao ano.
 “Independentemente de estar morando em outra região, eu nunca vou perder a minha essência. Todos os anos eu vou visitar minha família, meus amigos e fazer aula de dança. Encontrar meu povo". Quando ele morava na terra natal, teve a oportunidade de participar de produções de grandes artistas da região como Léo Santana, Ivete Sangalo e com as bandas Filhos de Jorge e Psirico. Em São Paulo, além de apresentar musicais, entre 2017 e 2018 o soteropolitano participou do quadro ‘Ding Dong’, no Domingão do Faustão. Além disso, Ribeiro também realizou diversos trabalhos em outras emissoras de TV. “Todo bailarino quer ser reconhecido, quer ser visto. [Depois de] estar no Faustão com o maior telecomunicador da televisão brasileira, sendo visto por várias pessoas, as coisas começaram a ter outra projeção em minha vida”, diz o dançarino. “As autoridades não dão importância para a arte.
A gente que dança sempre carrega uma batalha árdua de sobrevivência.
Mas não devemos desistir”, completa. Ribeiro conta que participar da ‘Super Dança dos Famosos’, principalmente num momento em que a classe artística se encontra limitada por conta da pandemia do novo coronavírus, é a realização de um sonho. “Em 2021 eu recebi o convite para fazer o ‘Super Dança dos Famosos’, o quadro mais importante da TV Brasileira relacionado à dança. Não tenho como mensurar a grande importância e felicidade em estar fazendo esse quadro. É o reconhecimento de toda batalha e de toda luta que enfrentei para estar aqui. Está sendo uma grande oportunidade de falar da minha terra, falar do meu povo”, comemora o artista. Na disputa pelo primeiro lugar na competição, ele garante que vai dar um toque baiano às suas apresentações. "Vou sempre colocar um pouco do meu suingue, do que aprendi na Bahia, do que eu tenho como essência.
Eu acho que isso vai ser o meu diferencial. Estou apostando muito nisso". Adeilton também pontua a responsabilidade que vai carregar ao ser par de Viviane Araújo, vencedora do quadro em 2015. “Por ela ter sido campeã tem um ponto positivo: ela já sabe como acontece o quadro, apesar das mudanças. Mas é carregar uma responsabilidade, é trabalhar duro e se dedicar ao máximo para fazer um excelente trabalho. Independe do resultado, eu quero mostrar para o Brasil que o soteropolitano também pode estar nesse lugar e fazer um ótimo trabalho”, disse.
Fonte: B.N Holofote

Mais Notícias