Irecê Líder: “Segregação”, diz Prisco sobre afastamento de soldado da Operação Apolo após aparecer em vídeo cantando /* CONFIGURAÇÃO CORPO DE POSTAGENS */ /* FIM DA CONFIGURAÇÃO CORPO DE POSTAGENS */ -->
ao vivo

SLIDER

IRECÊ LÍDER AO VIVO

Esconder Vídeo
Abrir Vídeo
Clique aqui para enviar seu recado.
NO AR
PROGRAMAÇÃO LÍDER
LOCUTOR
(x) Fechar
Compartilhe a Líder
Facebook
Whatsapp
Telegram
Participe! Mande seu recado para o nosso Whatsapp!

terça-feira, 2 de fevereiro de 2021

“Segregação”, diz Prisco sobre afastamento de soldado da Operação Apolo após aparecer em vídeo cantando

Deputado Capitão Alden também comentou: “por trás da farda existe um ser humano, que pensa, que tem sentimentos e que interage com os membros da sociedade”

Tem causado comoção e protestos em diversos segmentos o afastamento do Soldado Ferreira, da PM-BA, após o vídeo em que é registado cantando em um bar no bairro de Itapuã viralizar nas redes sociais. Conhecido como Amado Cigano na música, o policial revelou que a música serviu como terapia após ter sido baleado no braço durante uma operação no Complexo do Nordeste de Amaralina em 2018. Na época, ele precisou se afastar das ruas enquanto se recuperava.

Mas nem isso sensibilizou o alto comando da Polícia Militar da Bahia. O vídeo do PM atendedo ao pedido de um fã que o reconheceu nas proximidades do bar não foi bem recebido por membros de alta patende da PM, o que teria ocasionado o afastamento do soltado da Operação Apolo, uma atividade extra em que ele estava de serviço na última sexta-feira (29), dia do ocorrido. Pelo menos foi o que explicou o deputado estadual soldado Prisco (PSDB), que se mostrou indignado com a postura da PM-BA.

“Os policiais que estavam com ele estavam em total observação, não atrapalhou em nada o serviço naquele momento. E aconteceu o absurdo, o mesmo foi afastado da Operação Apolo. Não só ele, como também os outros dois policiais que estavam com ele também foram afastados”, disse ao PNotícias.

Prisco denunciou o que considerou um abuso da PM-BA nas redes sociais: “logo que soube da situação fiz um vídeo e denunciei esse ato arbitrário do comando da PM. Discordo radicalmente disso. O policial militar tem que estar próximo da sociedade, e isso não atrapalhou o serviço. Não se pode ter dois pesos e duas medidas. Vários membros da corporação já dançaram e cantaram o ‘Lepo lepo'” e outras músicas em serviço e nada aconteceu. Porque aconteceu automaticamente com o policial Ferreirinha e com os dois colegas?”, relatou.

Prisco alertou que os três PMs estavam na Operação Apolo – da qual foram afastados – e que este é um trabalho extra, sinal de precisavam dessa renda. “Eles estavam no serviço extra, e se estavam é porque precisam do serviço. Espero que o comando da PM reveja essa situação. Eu, como deputado estadual, jamais iria permitir um absurdo como esse. Por isso fiz uma denúncia contra o comando da PM-BA por esse ato que, ao meu ver, é um ato de segregação. Não se pode ter dois pesos e duas medidas”.

Colega de Prisco na Assembleia Legislativa da Bahia, o deputado Capitão Alden (PSL) também falou ao PNotícias sobre o caso. Ele disse que manteve contato com o policial e com seu comandante para obter mais informações.

“Até o presente momento não houve nenhuma confirmação desta ‘punição’. Poderá haver apuração disciplinar, o que é normal nestes casos, se houver solicitação formal. Me coloquei à disposição do policial militar caso venha precisar de apoio jurídico e psicológico. Particularmente, não vi nenhum problema no vídeo. Ele estava de serviço, parou para tomar uma água e foi reconhecido por um grupo de seguidores que já o acompanhava nas redes sociais por conta de seus trabalhos na rede com a música e pediram para ele cantar um trecho de uma música. Como havia muita gente na hora pedindo, ele teria ficado sem jeito de negar e atendeu o pedido”, disse à reportagem.

Alden afirma que a atitude do soldado não expôs a corporação: “esta ação em nenhum momento expôs a Polícia Militar muito menos os seus integrantes. Principalmente por ser o referido policial, profissional, cumpridor da lei e sempre disposto a contribuir no serviço. Essa é a polícia que precisamos, que seja fiscal da lei, mas que também seja humana. Por trás da farda existe um ser humano, que pensa, que tem sentimentos e que interage com os membros da sociedade”.

Procurada, a PM-BA não respondeu diretamente se o policial foi ou não afastado da Operação Apolo, e se limitou a dizer que “a conduta do policial será apurada, a fim de esclarecer os motivos da adoção da postura divulgada no vídeo. Ao final da apuração divulgaremos o resultado a todos os interessados”.
Fonte:Click Noticias

Mais Notícias