Irecê Líder: É impossível interditar a orla toda', diz ACM Neto sobre Réveillon /* CONFIGURAÇÃO CORPO DE POSTAGENS */ /* FIM DA CONFIGURAÇÃO CORPO DE POSTAGENS */ -->
ao vivo

SLIDER

IRECÊ LÍDER AO VIVO

Esconder Vídeo
Abrir Vídeo
Clique aqui para enviar seu recado.
NO AR
PROGRAMAÇÃO LÍDER
LOCUTOR
(x) Fechar
Compartilhe a Líder
Facebook
Whatsapp
Telegram
Participe! Mande seu recado para o nosso Whatsapp!

quinta-feira, 24 de dezembro de 2020

É impossível interditar a orla toda', diz ACM Neto sobre Réveillon

      

   O prefeito ACM Neto falou nesta quinta-feira (24) sobre a fiscalização das comemorações de Réveillon. A orla da Barra, um dos principais pontos de celebração em Salvador, será interditada pela prefeitura. Neto repetiu que está sendo analisada a possibilidade de fechar outros pontos da orla, mas disse que não é possível interditar tudo.

      "Olha, não podemos fechar a orla toda. Não temos capacidade de operação e fiscalização na orla inteira. São 64km de orla, é impossível o fechamento da orla. Optamos pelo fechamento da Barra, que vai acontecer a partir das 17h do dia 31. As praias não estarão liberadas no dia primeiro. Elas devem continuar fechadas. É impossível interditar a orla toda, que sempre foi um espaço de maior Ele pediu que as pessoas não vão para a praia no Réveillon. "

       Estamos ainda discutindo se outro trecho será interditado. A interdição tem que ser tratada como exceção e não como regra. Agora, as pessoas precisam não ir para orla. O apelo que a gente faz é que passem a virada de ano em ambientes residenciais sem aglomeração", disse. ***

      Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. 

 Fonte: O Correio

Mais Notícias