Irecê Líder: Preços dos tijolos têm aumento de até 100% na Bahia e produtos está em alta /* CONFIGURAÇÃO CORPO DE POSTAGENS */ /* FIM DA CONFIGURAÇÃO CORPO DE POSTAGENS */ -->
ao vivo

SLIDER

IRECÊ LÍDER AO VIVO

Esconder Vídeo
Abrir Vídeo
Clique aqui para enviar seu recado.
NO AR
PROGRAMAÇÃO LÍDER
LOCUTOR
(x) Fechar
Compartilhe a Líder
Facebook
Whatsapp
Telegram
Participe! Mande seu recado para o nosso Whatsapp!

quinta-feira, 27 de agosto de 2020

Preços dos tijolos têm aumento de até 100% na Bahia e produtos está em alta


Quem for fazer reformas, ampliações ou mesmo novas construções na Bahia vai ter que lidar com um desafio a mais para manter as obras dentro do prazo previsto. É que além dos preços em alta, a demanda acima do esperado para o período acabou deixando alguns tipos de produtos em falta. Tijolos e peças de cerâmica estão entre os itens que estão ficando raros nas lojas de material de construção. Para quem trabalha no setor, o problema é que o período de pandemia acabou obrigando algumas fábricas a reduzirem a produção para diminuir a quantidade de trabalhadores por turno. Além disso, com mais gente em casa, a demanda por reformas e ampliações cresceu. A falta desses produtos também é registrada em vários outros estados brasileiros.

De R$ 600 para R$ 1,2 mil. Esse foi o aumento na compra de mil unidades de tijolos numa das lojas de material de construção mais populares de Salvador, O Fazendão, em Cajazeiras. O CORREIO entrou em contato com pelo menos 10 lojas de material de construção de sete cidades baianas, e confirmou não só o crescimento do valor do produto, como também a sua falta.

“Blocos? Não temos. Estou com oito páginas de clientes aguardando o produto chegar. O fornecedor diz que vai chegar na próxima semana, é a nossa previsão, mas ele sempre diz isso e não entrega. A gente fica só aguardando… estamos vivendo um cenário complicado e estressante”, disse Claudia Azevedo, gerente da Torres Materiais de Construção, localizada em Cajazeiras.

O dono da Cerâmica Santos, de Luís Eduardo Magalhães, centro-oeste baiano, afirmou que esse é o primeiro reajuste de preço dos blocos em 12 anos, o que foi possível pelo aumento de demanda. “Sempre nós vendemos aquilo que estava no patamar da produção e hoje nós temos uma demanda que não conseguimos suprir. Produzimos cerca de 600 mil peças por mês e continuamos nessa produção máxima, mas não podemos passar disso”, afirmou.

Mais Notícias