Irecê Líder: Rapaz que vivia em Irecê teve cerca de 70% do corpo queimado enquanto dormia em Luís Eduardo Magalhães /* CONFIGURAÇÃO CORPO DE POSTAGENS */ /* FIM DA CONFIGURAÇÃO CORPO DE POSTAGENS */ -->
ao vivo

SLIDER

IRECÊ LÍDER AO VIVO

Esconder Vídeo
Abrir Vídeo
Clique aqui para enviar seu recado.
NO AR
PROGRAMAÇÃO LÍDER
LOCUTOR
(x) Fechar
Compartilhe a Líder
Facebook
Whatsapp
Telegram
Participe! Mande seu recado para o nosso Whatsapp!

sexta-feira, 24 de julho de 2020

Rapaz que vivia em Irecê teve cerca de 70% do corpo queimado enquanto dormia em Luís Eduardo Magalhães



Na noite da última segunda-feira (20), um homem, identificado por Jonathan Rodrigo dos Santos, natural de Irecê, de 31 anos, teve 67% do corpo queimado enquanto dormia, na cidade de Luís Eduardo Magalhães, oeste da Bahia. Segundo informações do G1, a vítima dormia em uma quadra esportiva abandonada no centro da cidade, junto com outras pessoas que também estão em situação de vulnerabilidade social.

Segundo informações o agressor jogou álcool no colchão em que Jonathan dormia e ateou fogo. Ele foi socorrido pela SAMU e foi levado para o Hospital do Oeste, em Barreiras. Investigações iniciais apontam que o homem colocou fogo em Jonathan e fugiu em uma bicicleta.

O agressor, Luis Carlos Bispo, conhecido como Salvador, foi preso nesta quinta-feira (23) enquanto tentava fugir para Irecê, mas foi localizado na rodoviária de Luiz Eduardo Magalhães. Segundo a Polícia Civil, Luís Carlos confessou ter sido o responsável por atear fogo na vítima. O suspeito disse que cometeu o crime por vingança já que, segundo ele, a vítima havia tentado contra a vida dele em 2018 e, por isso, provocou desavença entre o autor e Jonathan. Lêda, irmã de Jonathan, contou que o estado de saúde do irmão é estável e que ele já estava com bons níveis de saturação. Segundo Lêda, Jonathan tinha costume de ir para Luiz Eduardo Magalhães: “Ele não gosta de fixar moradia não”.

Lêda soube da tentativa de homicídio contra o irmão através da ligação de um amigo de Jonathan para a mãe deles. Ela diz não conhecer o agressor, Luiz Carlos. Lêda também salienta que o irmão não é morador de rua e que ele costumava ficar em pousadas.


Fonte: G1

Mais Notícias