Irecê Líder: Bomba: Cacique do partido solidariedade Paulinho da força é condenado à 10 anos de prisão. /* CONFIGURAÇÃO CORPO DE POSTAGENS */ /* FIM DA CONFIGURAÇÃO CORPO DE POSTAGENS */ -->
ao vivo

SLIDER

IRECÊ LÍDER AO VIVO

Esconder Vídeo
Abrir Vídeo
Clique aqui para enviar seu recado.
NO AR
PROGRAMAÇÃO LÍDER
LOCUTOR
(x) Fechar
Compartilhe a Líder
Facebook
Whatsapp
Telegram
Participe! Mande seu recado para o nosso Whatsapp!

sábado, 6 de junho de 2020

Bomba: Cacique do partido solidariedade Paulinho da força é condenado à 10 anos de prisão.




O deputado Paulinho da Força (Solidariedade-SP) foi condenado nesta 6ª feira (5.mai.2020) pelo STF (Supremo Tribunal Federal) a 10 anos e 2 meses de prisão por lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.

Caso a Suprema Corte determine o início imediato de cumprimento da pena, será em regime fechado.

Paulinho foi denunciado em 2012 por suposta prática de crime contra o Sistema Financeiro Nacional.

Segundo a acusação, o político desviou recursos concedidos pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento), em concurso material com crimes de lavagem de dinheiro. Paulinho teria cometido os crimes de dezembro de 2007 a abril de 2008.

Um dos trechos do processo diz: “Elementos de prova colhidos nos autos da investigação revelaram indícios de que o Deputado Federal Paulo Pereira da Silva participava das ações do grupo consistentes no desvio dos recursos do BNDES e se beneficiava da partilha da ‘comissão’ cobrada aos beneficiários dos financiamentos”.

Os ministros Luís Roberto Barroso, Luiz Fux e Rosa Weber votaram pela condenação. Marco Aurélio e Alexandre de Moraes rejeitaram as acusações contra o político.

O ministro Alexandre de Moraes não vislumbrou provas da participação do deputado nos supostos fatos. Segundo ele, há apenas suspeitas.

Barroso apontou que o caso possui sim 1 “conjunto robusto de provas”. “Em conclusão, o conjunto robusto de provas existentes nos autos me leva a concluir que, mais do que coincidências, há elementos suficientes para negar qualquer credibilidade à versão defensiva”.

A defesa do deputado deve recorrer contra a decisão no plenário do Supremo. Alega que Paulinho da Força foi vítima de tráfico de influência.


Mais Notícias